Quanto custa o seu dinheiro.

O conceito de moeda, tal qual conhecemos hoje, surgiu há cerca de 2.700 anos
atrás, onde hoje é a Turquia, como um instrumento para facilitar e regular a
troca de mercadorias, à medida em que as pessoas passaram a necessitar cada
vez mais de produtos que não poderiam produzir elas próprias, muitos destes
itens transportados por longas distâncias. Daí foram herdados os termos
“salário” (sal) e “pecúnia” (gado), onde os valores cunhados na face do metal
(valor de face) representavam quantas unidades de um certo produto valiam
aquele pedaço de metal, ou seja, aquela moeda.
A medida em que um punhado de moedas representava uma certa quantidade de
um produto muito maior e mais pesado de se transportar, e que moedas de um
certo produto poderiam ser trocadas diretamente por moedas de outro produto,
foi se desenvolvendo ao longo dos séculos um complexo sistema monetário, até
chegarmos ao modelo que temos hoje na maioria dos países do mundo.
Surge então um dos conceitos que são base do sistema monetário, também
carregado através dos séculos, que é o lastro. Trocando em miúdos, o lastro é a
garantia de que o emissor daquela moeda detém a quantidade suficiente de certo
produto para entregar em troca da quantidade estipulada em sua face. Se um
produtor de ovelhas cunha no metal a quantidade de 10 animais, ele deve ter
esta quantidade para entregar, em troca das moedas trazidas de volta pelo
receptor, que “resgata” as ovelhas que precisa.
Assim, caso o emissor não tenha as quantidades certas para entregar, o dinheiro
passa a perder o seu valor cunhado na face. Portanto, o lastro tem função
fundamental no valor daquelas moedas, uma vez que, se o emissor tem apenas 8
ovelhas para entregar, frente a 10 unidades prometidas num punhado de
moedas, cada uma passa a passa a ter valor menor do que o recebido
originalmente. Isso fará com que seu portador a troque por algo de menor valor,
acarretando na queda de valor de seu dinheiro, ou INFLAÇÃO, que é a
depreciação da moeda em relação aos produtos adquiridos.
É por isso que a quantidade de dinheiro impressa não define se uma economia é
mais rica ou não, pois o que determina sua riqueza é o seu lastro, ou seja, a sua
produção, que em termos contemporâneos é simplesmente denominado de
Produto Interno Bruto, ou simplesmente PIB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.